22 de jan de 2016

Diário: Era um filme de um pianista, sabe?

Na videolocadora, depois de escolher três filmes com B., resolvo peguntar:

- Denis, tem um filme, sabe, que eu vi quando era bem pequena e ele falava sobre um pianista.

- Um pianista? - ele me incentivou a continuar.

Denis é o dono da videolocadora.

- E esse pianista se casa, tem um filho, mas a mulher morre e o deixa sozinho com o nenê. Aí o pianista fica amargo, até que se apaixona pela nova babá do filho que faz com que ele recupere a alegria de viver. Mas isso depois de muito tempo, o meninos já tinha uns dez, onze anos. Só que ele descobre que tinha uma doença terrível e não poderia mais tocar piano.

- Você não sabe nada do nome do filme?

- Não, só sei que é bem antigo. Talvez fosse em preto e branco...

Silêncio.

- Acho que estou pedindo demais, né, Dênis?

- A história me é familiar, mas não sei te dizer o nome do filme...

- Tudo bem. Vou procurar por aí de novo...

- Se eu descobrir, te aviso, okay?

Quinze minutos depois ele me manda, via Whatsapp, a sinopse de "Melodia imortal". Era aquele! Perguntei se ele tinha o DVD, mas a resposta foi negativa. Ficou de providenciar. Fui pesquisar o filme e descobri que ele é baseado em fatos reais, na vida de um pianista chamado Eddy Duchin.

Enquanto não consigo o filme, me deleito com a cena final:




Nenhum comentário: