21 de jan de 2015

Sobre tomar cuidado com o que se defende ou 'je ne suis pas Charlie'


Com essa onda do Charlie Hebdo e inúmeras manifestações a favor do jornal, me veio uma pergunta:

- Será que as pessoas realmente sabem o que estão defendendo?

Digo isso porque vi inúmeras manifestações do tipo 'Je suis Charlie' e eu, sinceramente, nunca tinha ouvido falar no jornal (ok, me julguem se quiserem...) e acho bem difícil que todo mundo que se declarou defensor do jornal tenha noção ou um conhecimento mais profundo do que ele trata.

Se colocar a favor da liberdade de expressão, ok, nada mais justo, mas eu não ousaria defender algo que mal conheço (no caso, o jornal) e vi e vejo as pessoas vestindo a camisa sem saber exatamente qual é a do time em questão. 

Acho que ao mesmo tempo que devemos preservar e defender a liberdade de expressão, temos que ver o que fazer com essa liberdade. Ou será que posso falar o que quiser? De modo algum defendo os atentados terroristas ou qualquer tipo de violência, mas ridicularizar a crença alheia e coias do gênero não me parece algo de bom senso.

Fui atrás das charges e pelo que andei tentando entender delas (já que meu francês sofrível) falta muito bom senso em muitas delas, mas, como dizia meu querido ex-chefe:

- O que é bom senso para você pode não ser para o outro.

As medidas são diferentes, pois há subjetividade então se não posso esperar o bom senso do outro (que pode muito bem ser diferente do meu e precisarei aprender a lidar com isso - e vice versa), que eu pelo menos conheça aquilo que defendo, a fim de fazer um julgamento condizente com as minhas próprias crenças - de modo que eu tenha certeza daquilo que estou defendendo.

P.S. Vale a pena dar uma lida no artigo de Emerson Luiz.

Um comentário:

Daniela RC disse...

Adorei o post!!!

Adorei o seu blog e já estou a seguir :)

beijos,
Daniela RC
Blog: Doce Sonhadora