18 de jul de 2012

Analfabetos emocionais ou A Comunicação a desserviço da humanidade

A: - Não sei se entendi o que você quis dizer.

B: - Eu não quis dizer nada, eu disse o que queria. É diferente.

A: - Bom, espero que você tenha entendido o que eu disse, afinal, "não sou responsável pelo que você entende, só pelo que eu digo".

B: - Viu isso onde? No Facebook? Como se o que você dissesse fosse algo totalmente neutro, sem camadas de intenções, sem nada nas entrelinhas.

A: - Se você entender assim...

B: - Não, não. Você não pode lidar com as pessoas assim. As coisas que você diz têm peso, sabe? Elas ocupam um espaço e um tempo. Não dá para fingir que não. Mas o que você diz mais complica do que esclarecem.

A: - Hermetismo. E não tenho que saber te ler, oras.

B: - Podia tentar. Ou será que eu sempre vou ter que falar o que sinto? Será que você não lê certas coisas na minha cara?

A: - Não sou me saio bem nessas coisas, você sabe. E mesmo que me saísse:  você também não se deixa ler fácil...

B: - Hermetismo. Mas ainda que você não me leia, eu te digo o que eu sinto, coisa que não funciona.Você não consegue perceber coisas básicas e isso me assusta. Mas me assusta mais ainda perceber como tolero essas coisas suas...

2 comentários:

renatocinema disse...

Poeta que não acredita em príncipe tenho que assumir para você.....suas palavras.....me dão certo medo.


kkk.

MN disse...

vixi...