19 de dez de 2012

Da dança à sedução

Da primeira vez que comentei que queria aprender dança do ventre, um amigo me perguntou:

- E quem você quer seduzir?

Eu sorri e respondi "ninguém", porque é uma coisa que eu queria fazer por mim - e não pelos outros. No último fim de semana, depois de meses de aula, tive minha primeira apresentação. E foi simplesmente fantástico! 

A dança ventre é mais uma daquelas centenas de coisas que pode parecer ser para os outros, mas deve ser para quem dança. Quer dizer: você até pode dançar para seduzir alguém, mas fazer desse o único motivo me parece algo um tanto falho. É fazer a coisa certa pelo motivo errado.

Durante os ensaios, não pensava em impressionar fulano ou ciclano: pensava unicamente em mim. Era o meu momento. Momento de deixar o outro de fora, em silêncio. É o diálogo da mulher com o seu corpo (seja ele como for, pois acaba sempre sendo belo), com a sua feminilidade, consigo mesma. 

Por que o meu cabelo - curtíssimo agora, a la Ginnifer Goodwin -, o meu tom de esmalte, o meu jeito de falar precisam atender ou agradar alguém? Então, a verdade é que não precisam e toda vez que me deparo com alguma "reportagem" no melhor estilo "se enquadre", eu acho triste, porque quem vai se construindo com base em parâmetros de aceitação alheia complica a própria existência. Já falei disso várias vezes e insisto por a achar ser uma questão importante.

- Você deveria ser...

Dançamos porque nos faz bem, porque relaxamos, porque desinibe, porque soltamos o corpo e aprendemos a aceitá-lo, amá-lo - sem que o olhar do outro se faça necessário. Claro que se a sedução der as caras no meio desse caminho mal não vai fazer.

Um comentário:

renatocinema disse...

Estou com saudades das ótimas filosofias que tinhamos no café da manhã.....e da tarde....e do almoço. kkk.

Dançar....é seduzir???ferrou, não sei e odeio dançar. kkk