7 de fev de 2014

A senhora das moscas

Ela bonitinha. Sempre de rosa a saçaricar pelos corredores. Era a menininha do Vinícius e do Toquinho, só que um pouco maior: dez anos.

Uma boneca, era o que diziam. Uma senhorinha: sempre obedeci[d]a, sempre maviosa. Uma dessas crianças encantadoras.

Ficava no seu mundo de contos de fadas com bonecas e unicórnios brancos. Uma princesa.

Mas uma tarde, a mãe saiu para falar com a vizinha e a deixou sozinha em casa. Fazia muito calor e algumas muitas moscas tinham entrado pela janela da cozinha.

A princesa olhava com atenção as moscas que entravam, mas que não conseguiam sair: amontoavam-se desesperadamente na tela da grande janela da sala. Sem pestanejar, a princesa pegou o mata moscas e, uma a uma, foi matando os insetos com eficiência e frieza. Sorriu satisfeita.

As bonecas e unicórnios tinham perdido a graça: nunca tinha se divertido tanto na vida. Recolheu as moscas delicadamente, segurando-as pelas asinhas e jogando-as na lixeira do banheiro. Sorria radiante. Plena e contente.

Ela arruma o laçarote cor-de-rosa

Nenhum comentário: