11 de jul de 2011

O lado B do "Meu querido Poney"

Todo mundo tem um lado B. E todo mundo tem um lado não muito legal - também conhecido como "mau". Muito me admira haver pessoas acima dos vinte que pensam que o mundo é dividido entre mocinhos e vilões, no melhor estilo Star Wars.

Mas o que eu queria mesmo era falar que todo mundo tem um lado B. Todo mundo faz algo que foge do senso comum, dos bons costumes, do trivial, do arroz com feijão.

Até o "Meu querido Poney" que é um bichinho todo açucarado tem o seu lado B e aí é que está a graça da vida. Não há nada mais cansativo do que ouvir que o legal é ser diferente: não é uma questão de ser legal ou não, é uma questão de opção - ou da falta dela. Afinal, todo mundo é diferente.

Claro, há aqueles que se julgam iguais a massa - que, por mais massa que seja, é feita de indivíduos que não concordam em tudo nem pensam igual em tudo, por mais alienados que sejam - e ainda há aqueles que querem mostrar que são mais diferentes do que os outros. Há os que se auto-afirmam pela (tentativa de) mistura à massa (heterogênea) e outros que só se sentem bem destacando-se do "resto".

Felizmente ao longo dos meus humildes 24 anos, nunca conheci uma pessoa igual a outra. E essa é uma das coisas que eu amo na humanidade. Mesmo os mais parecidos não se parecem tanto se você chega mais de perto, de deixa de lado o pré-estalebelecido, o previsível. Chegue mais perto e você vai se deparar com o jeito como se pousa os talheres, com vícios de linguagem, trejeitos, tiques, modo de estacionar o carro, cozinhar, atender o telefone, assoar o nariz, pentear o cabelo, dizer adeus.

Todo mundo tem um lado B: escreve carta de próprio punho, ouve Prince ou Roberto Carlos, (ainda) dança a macarena, curte Didi e Dedé, assiste Miss Universo todo ano, lê "Caras"... O que é exatamente lado B afinal? É aquele lado mais secreto, das coisas que somos/ fazemos/ gostamos e ninguém sabe? É o lado do não-convencional, do não-aceito? Como achar que a vida é preto no branco quando somos em 3D? Personagens esféricas - amáveis e detestáveis, às vezes simultaneamente.

O gostoso da vida é aceitar que temos os dois lados da mesma moeda, o lado A e o lado B, o lado bom e o mau, tudo convivendo dentro de nós - pacificamente? Nem sempre...

Dá para ouvir Black Sabbath


E pensar que 



Fluff é trilha sonora para "Meu pequeno poney". Mas nunca se sabe se o lado B do bonitinho não é justamente Black Sabbath.

Um comentário:

Clelia tia disse...

não sei não, mas tenho a impressão que vem mais lados por aí, lados C,D,F,G......o ser humano é tão diverso e apaixonante que a coisa se torna infinita.