24 de jan de 2014

Quem escreve quer ser lido (e eu sou!)

Quem escreve quer ser lido. E saber que alguém não só me leu, mas também se inspirou para escrever um texto é tudo o que se pode querer. E, nessa brincadeira, um amigo me fez um poema, inspirado num texto que fiz ano passado. Um texto que adoro de paixão. É legal ver que ele significou algo não só para mim, mas para outras pessoas também. 

Poxa, sou lida. E, em certa instância, levada à sério. Tem coisa melhor do que as pessoas te levarem à sério quando devem, na hora certa?

Ah!

Eis o poema que ganhei:

Ponha as palavras no gelo

(L.G. Prates) Para conservar o que foi dito Ponha as palavras no gelo Mesmo as quentes Congeladas Duram anos Guarde-as onde se guarda As lembranças mais incríveis Aquelas que não se esquecem E que quando precisar Se precisar Você saberá onde estão E abrigue-as em forminhas de gelo Separadas uma a uma Porque é no vão de algumas palavras Que estão algumas revelações.