3 de jan de 2014

(Un)puzzle me


Ela estava deitada no sofá, lendo qualquer coisa. Ele estava sentado no tapete, montando o quebra-cabeças. Bom, tentando montar o quebra-cabeças. 

A luz amarela dourava os olhos dele e as pernas dela. Vestido azul - sem mangas e cheio de vontades. 

Os olhos dele querendo simplesmente entender. Tentando encaixar as peças, fazer a cena fazer sentido. Muito pouco, quase nada.


Ouviam música. Cícero tocava suavemente só para eles.

Quando a quinta música começou a tocar, ela baixou o livro e se levantou.

Rodopiando pela sala, ela cantarolava com doçura. Ele a acompanhava com o olhar, que dançava. Flutuavam. Como balões. Devia ser o ar quente que vinha de dentro

Com leveza, deixou-se cair no tapete, ao lado dele e do quebra-cabeças. Olharam-se sem meios termos, cheios de promessas, palavras, partidos, peças perfeitas - pieguice?

- Gosto de você.

Ela riu e apontou uma peça. Queria ajudar, sempre solícita. Entretanto, algumas peças temos que encontrar sozinhos. Dentro de uma gaveta, debaixo do sofá, dentro da jarra de chá gelado, no café fumegante, nos elefantes na parede, escondidas num livro, no sorveteiro que passa na rua, por entre as folhas do chapéu-de-sol. Mas elas estão lá: as peças estão sempre lá, em algum lugar.

Seu olhar era o de entrega. A peça que faltava? Não, a peça que faltava era a o olhar dele - o olhar com o qual ele a coroava soberana enquanto dançava pela sala.

- Gosto de você.


Nenhum comentário: