16 de abr de 2012

Pecado [não] é te deixar de molho

Preguiça. Preguiça de te perdoar por me magoar - de novo. Preguiça de responder com delicadeza aquilo que você me diz com estupidez. Preguiça de pôr panos quentes na sua zanga quando quem devia estar zangada era eu - mas você se zanga por eu ficar zangada com você. Ah.

- Toma: é pra você - disse eu, da janela do ônibus.

- O quê? - você perguntou.

- Espaço - disse eu, sorrindo.

Não vou te dar um tempo: vou me dar um tempo. Questão pronominal. Tempo e espaço. Vou sair - satisfeita e sem te dar satisfação. Porque estou com preguiça de ouvir seus melindres, suas reclamações, suas desculpas.

Hoje, oficialmente, te ponho de molho. Quem sabe ao quarar no sol, as coisas não ficam mais claras?

3 comentários:

Carolina disse...

Receita de vó sempre dá certo!

£ädÿ disse...

vou ME dar um tempo.
sensacional.

Cláudia disse...

detonou. :)
e que resposta dos sonhos, essa do ônibus! gente!