19 de ago de 2012

We should be dancing

Voltei para casa ouvindo o rapaz bonito de olhos tristes. No celular, ele desabafava com um amigo. Um coração partido. Engraçado como não havia pieguice nem nada no gênero, só doçura e tristeza. E lembrei de todas as histórias que ouvi e tenho ouvido desde sempre.

Tenho amigos que reclamam por não acharem garotas legais. Não conseguem achar pessoas que queiram a mesma coisa que eles, que estejam na mesma sintonia e que queiram alguém "pra valer". Tenho amigas que se queixam de não darem sorte com os caras. Não conseguem achar pessoas que queiram a mesma coisa que elas, que estejam na mesma vibe e que queiram alguém "pra valer". Com os meus amigos gays é a mesma coisa. E ouço cada causo que parece coisa tirada de livro - o que não é uma coisa boa, embora livros sejam bons (bom, nem todos, mas vocês entenderam).

Parece que estão todos perdidos, não? Eu poderia dizer que estão todos procurando nos lugares errados, mas não acho que seja por aí. Acho que não é essa a questão. Qual será então? Será que está se exigindo demais? Não, acho só que cada vez se sabe menos lidar com os outros. Será que não estão vendo que a pessoa que procuram podem estar bem na frente deles? Também acho que não. E acho que não sei de nada.

A impressão é a de estarem no mesmo barco à deriva, mas não no barco que afunda. Bom, quando se está à deriva, cedo ou tarde se chega a algum lugar.

Mas eu queria mesmo saber... O que fazer para que essas pessoas se encontrem? Todos parecem estar vendados num salão de baile, dançando sozinhos. E quem você gostaria que segurasse a sua mão?

2 comentários:

Tatiana Machado disse...

Que poetico... tao verdadeiro. Tao Larissa ;)

Rafael Machado disse...

Congrats dear! Texto muito relevante e interessante. It makes you wonder: por que as pessoas com sonhos em comum e preparadas para o biggest step of our so instinctive selfishness não conseguem se encontrar, se com Google Maps podemos encontrar tudo? Por que não conseguimos nos conectar com as pessoas que queremos ao nosso lado for a lifetime se vivemos na era da conexão? It makes you wonder...you makes you wonder...