14 de jan de 2013

As 6 primeiras lições de 2013

1) As furadeiras elétricas foram uma grande invenção. 

Eu já tinha brincado com uma furadeira elétrica antes numa super loja da Polishop, onde me senti uma estrela - sério! É o poder de uma boa iluminação, boa decoração e boa bancada de marcenaria. Ontem, tive a chance de operar uma furadeira manual. É uma ferramenta muito bonita - é estranho achar ferramentas bonitas? -, mas você tem que estar com tempo para utilizá-la, me explico: para você fazer um furo é uma eternidade! Peguei um pedaço de madeira e comecei a furá-la - logo perdi a paciência e fui fazer alguma coisa mais útil. Ah! Esse sábio ensinamento me lembrou de outros dois, relacionados ao mesmo episódio: desencapar fios é para os profissionais e trenas podem ser ardilosas.

2) Esse papo de memória seletiva é um engodo.

Cresci ouvindo e acreditando cegamente nisso, mas é um grande de um engodo. Ba-le-la. Digo isso porque eu lembro de milhares de coisas sem propósito. Não deveria haver uma razão para eu lembrar das coisas? Pois bem, acontece que eu lembro de vários acontecimentos, a meu ver, desnecessários, que não causaram nenhum impacto na minha formação enquanto ser humano etc. Já devo ter escrito sobre isso aqui no blog, mas insisto que a lição só foi totalmente apre[e]ndida agora, no comecinho do ano. Sempre achei que só lembrássemos daquilo que é importante e lembro de cenas, lugares, cheiros, conversas, pessoas com uma exatidão muito grande. Será que tudo e todos que me lembro seriam então importantes? Será que as coisas das quais me lembro têm um propósito e eu só não sei qual?

3) As coisas podem ser exatamente como parecem.

Pode soar às vezes até meio paranoico a velha história do "nem tudo é o que parece". Soa paranoico porque pode sim se tornar paranoico. O que [pres]sinto é que, muitas vezes, as coisas são exatamente como parecem. O que há de errado então? Nós, que somos míopes ou escolhemos  e insistimos em ver - conscientemente ou não - tudo com lentes tortas e daí estragamos o que está lá posto, simples e claro. Não estou falando de neutralidade - não acredito muito nisso -, estou falando que nosso modo de encarar a vida, nosso estado de espírito em determinado momento, nossos preconceitos etc. podem fazer com que vejamos as coisas de um modo totalmente equivocado. Em caso de dúvida atroz, vale sempre consultar uma segunda opinião. Nem sempre estamos prontos para ver o óbvio. Nem sempre o outro finge ou quer nos enganar. 

4) Andar de patins não é exatamente andar de patins (e varrer o quintal de patins é treino de hockey)

Andar de patins, na verdade, é deslizar de patins. E, mesmo assim, não é deslizar de qualquer jeito, é uma coisa muito específica, sabe? [sim, estou aprendendo a andar de patins depois de velha]. Se não tomar cuidado, fica parecendo um boneco de Olinda e não queremos isso, certo? Não digo que precise de molejo, mas é necessário algum balanço, acho. E, com o intento de tornar o trabalho doméstico mais lúdico, sempre vale tentar uma coisa alternativa do tipo varrer o quintal com patins [vai que eu descubro uma vocação secreta para hockey].

5) Lava-roupas Brilhante tira até as suas digitais.

Quem saiba agora eu possa pensar em CSI, Boston Legal, Bones, Castle e similares de um outro modo.

6) Uma piscina de mil litros ainda é uma piscina.

Não ligo para o glamour, nunca liguei. Liguei o ventilador, isso sim. E nada. Que calor era aquele? Talvez eu nem saiba mais nadar, talvez eu me afogasse se jogada fosse ao mar. Não sei, só sei do calor que nos fazia desmanchar. I'll stop the world and melt with you. Oh really? Sure? Nessas horas alguém lembra da simpática e nostálgica piscina de mil litros. Sem cerimônia, sem pegar as boinhas de braço, sem o bote inflável, sem pegar toalha. Mas também não é "se joga!", afinal, é uma piscina de mil litros, certo? Engraçado como o tamanho da piscina não é proporcional ao alívio e ao refresco por ela trazidos. 


Nenhum comentário: