3 de jan de 2013

Sinceramante

Sinceramente, amanteigado sem manteiga é uma coisa sem propósito e sem gosto. Becel pode fazer bem para meu coração, mas não para o meu paladar. Eu só precisava dizer, já que isso não preciso omitir.

Não é que eu normalmente minta - você sabe que eu não sou de mentir. Sabe? É só uma questão de acertar na escolha de palavras e dar a cara a tapa. E isso eu sempre faço, você sabe - que estou mentindo: sempre é tempo demais, é muita pretensão. Normalmente é mais seguro e mais ... honesto.

A gente omite porque nem sempre dá pra dizer a verdade. Por que não dá? Nem sempre precisa dizer a verdade. Mesmo? 

Sinceramente, não durmo mais. Também não sonho mais. Não é uma música do Chico? E, pra ser sincero, café não me mantém acordado quando preciso estar acordado. São outras as coisas que me deixam acordado e tornam a tentativa de dormir um tédio.

Pra ser honesto, quero mostrar que você merece a minha sinceridade, os meus pingos nos Is, a clareza das coisas mais óbvias.

Sinceramente, não vai dar pé: a piscina é funda demais para você, mas se você quer ir, vai - eu não vou segurar, 'cê sabe. Faça e aconteça, vá onde quiser, mas saiba que na verdade...

Honestamente, não dá para se esconder atrás das mídias sociais para sempre; você vai ter que [se] superar; a vida não dá prêmio de consolação; a gente planta o que colhe blá blá blá - nada que você não saiba, mas tudo o que faço questão de dizer com sinceridade - antes você ouvir de alguém que se importa.

Sinceramente, você mente muito - e não sabe mentir [a veia gorda pulsa nervosa na sua testa]. Seu coração bate descompassadamente enquanto você fala com toda a calma do mundo - e acha que convence sua platéia com deleite.

Para ser sincero, alguém que não tem as perguntas não merece as minhas perguntas - muito menos as minhas respostas. Bem, talvez você apenas omita as suas perguntas e eu esteja apenas mentindo sobre isso tudo.


Nenhum comentário: