4 de jan de 2013

Precisamos conversar... Mesmo?

Embora nunca tenha acontecido comigo, sei bem que toda vez que uma conversa começa com "precisamos conversar..." não soa bem - não soa bem porque em 99,9 %* dos casos não vem coisa boa.

E será que sempre mesmo essas conversas são necessárias? Será que precisamos mesmo conversar?

Às vezes muita coisa é dita e tal. E..? Reconheço que a comunicação é algo importante, mas também que a saliva é uma coisa preciosa e deve ser preservada quando possível. Sem contar que tais conversas são desgastantes por se tratarem de coisas sérias em 95%* dos casos. Aquilo o que segue o "precisamos conversar" é aquilo que deveria e/ou poderia ser dito sem tanta formalidade, seriedade, tensão. 

Será que o outro precisa mesmo saber o que a gente sente - ou que precisamos saber como ele se sente? Até que ponto "isso" vai se transformar em ações?

Porque eu tenho visto vários "precisamos conversar" nos quais as pessoas colocam seus sentimentos e nada muda. Então vale brincar assim?

Entretanto, sempre se pode puxar um "precisamos conversar" sem se abrir at all. Justo?

Já fui a favor de "boletins informativos": você chega, fala [informa] e não espera nada em resposta - e, se puder, vai embora assim que termina. Soa um pouco como desabafo, mas também bem covarde: você não cobra uma resposta do outro não porque seja legal, mas porque não quer uma resposta, sim?

E tem ainda a velha história de sempre: o que o outro faz com as suas palavras foge totalmente da sua alçada. Não é que eu não acredite na comunicação entre as pessoas: sou bastante clara e honesta, só acho os diálogos no melhor estilo "precisamos conversar" têm que se converter em ações.

* Desconsiderar porcentagem fictícia.

Um comentário:

renatocinema disse...

Precisamos conversar??????