14 de jul de 2010

Diário: Cara lavada

Garoa normalmente me deixa para baixo. Mas já que meu humor não tem estado lá essas coisas, a garoa não teve qualquer efeito sobre mim. Munida de um casaco de nylon e de um par de galochas compradas na seção infantil de uma loja de departamento, fui resolver o lance do documento.

Filas e uma manhã se foi. Triste a hora em que a atendente me disse:

- ... E depois você vai tirar a foto.

- Mas eu trouxe a foto.

- Mas agora é tudo digitalizado.

Digitalizado? Se é assim quero photoshop! Olhei para a atendente:

- Puxa, vou sair assim...

- Mas você está bem assim - respondeu ela simpática.

Não, não estava bem. Por que justo hoje resolvi fazer duas trancinhas? Terá sido um espírito junino retardado? De repente não curti direito as comemorações juninas e isso acabou aparecendo agora. Ou então é simplesmente meu lado indígena aflorado, em homenagem aos velhos tempos... Mas como ser índia com essa cara pálida? E essas olheiras? Belo dia para sair de cara lavada...

Agora, por mais cinco anos, vou ter que olhar para essa foto e lembrar de como estava me sentindo.

E de como deveria ter deixado pelo menos um batom na bolsa.

Ouvindo Mad World (Gary Jules)

Um comentário:

Triana. disse...

O que seriam dos documentos se não fossem suas fotos tiradas às pressas?
Não queira ver meu RG...