23 de jul de 2010

Sobre territórios e metáforas aquáticas

Depois de conversar com a Diva Ruiva, eu me pergunto o que é pior: alguém que, num relacionamento, sofre por se doar demais, por se entregar total e cegamente ou alguém que sofre justamente por não conseguir se entregar minimamente, deixando o outro sempre às suas margens, sem se envolver, sem deixar que o outro entre em sua vida de fato. O primeiro entrega seu mundo sem questionamentos, mergulha de cabeça sem saber o quão raso pode ser o outro. O segundo fecha-se em sua redoma e é incapaz de ir além da superfície. Medo de se afogar? Ou não quer aprender a nadar mesmo?

São dois extremos e nenhum dos dois é aconselhável... 

Mas...

(E cá estou eu escrevendo mais uma vez sobre relacionamentos...)

2 comentários:

Cayo Candido disse...

Qual a solução? Boinha nos braços?

ana lu. disse...

É complicado. Há uma grande possibilidade de aquele que se entrega demais acabar sofrendo demais com a frieza daquele que simplesmente não se entrega nem um pouco. Ao mesmo tempo que este não se deixa sentir nem um pouco apaixonado...