11 de set de 2011

Você não vai nem tentar?

Ele me perguntou:

- Mas você não vai correr atrás do que quer?

*alto grau de irritabilidade no ar*

Ele me olhou como se eu tivesse desistido sem tentar, quando, na verdade, decidi me poupar de coisas sem futuro.  Cada um conhece o seu limite e sabe até onde pode ir (e percebo que um dos grandes problemas das pessoas é justamente não conhecer a si mesmo e seus sentimentos).

Fui até onde deu, até a beirada do abismo. De lá, voltei pra casa, porque eu não tenho perfil de quem pula - nem de quem faz os outros pularem (glup!). Brincadeiras a parte, eu acho feio isso de apontar o dedo na cara dos outros e falar o que o outro deve ou não fazer. Okay, ele não fez isso, porque ele é sensacional, mas muito me surpreende que não entenda que cada um tem o seu modo de agir e descobri que esse é o melhor modo pra mim.

Tentei, tentei, tentei. Não deu? Toco o barco! Ou deveria atrasar a minha existência efêmera com algo que não vai render nem folha, quanto mais fruto? Persistência e perseverança são coisas belas e admiráveis, agora teimosia e comportamento a la cabeça dura, ah... Penso em como sou jovem e nas milhares de coisas ainda por fazer. Aí eu paro e separo o joio do trigo: o que não vale a minha insônia do que vale o meu cansaço.

Nenhum comentário: