24 de jul de 2013

In a lifetime

Ele esperou a sua vez na fila. Pacientemente. Serviu-se do arroz com feijão e da mistura. Mas ansiava mesmo pelas porções de felicidade, leve e colorida. Pegou três, que vinham em potinhos transparentes (todo mundo podia ver), e foi se sentar para sua refeição, muito satisfeito. Deixou-as por último e fez muito bem em assim fazer.

Uma semana depois, voltou e se deparou com o restaurante fechado. A princípio, ficou confuso, pensando sobre como as coisas iam ser daquele dia em diante. Como ser feliz de novo?

E então entendeu que já tinha tido a sua porção de felicidade pelo resto da vida.

Um comentário:

Vinícius disse...

Mais do que confuso, pensando como as coisas iam ser daquele dia em diante, ficou sentindo-se culpado por ter pego apenas três potinhos quando podia ter pego mais. Afinal, a vida é a fome que sentimos daquilo que recusamos de estômago cheio.