1 de nov de 2011

Fora do tempo [2]

A: - Onde foi que nos perdemos?

B: - Dobrando a esquina?

A: - É como se estivéssemos nos perdido no tempo...

B: - Então é o tempo e não o espaço?

A: - É.

B: - Hum. Mas eu gosto de você.

A: - Mas estamos em tempos diferentes. Tô no Iluminismo.

B: - E eu?

A: - Sei lá onde você está: se soubesse, provavelmente ainda estaríamos juntos. Ou não. Mas eu saberia ao menos onde te encontrar.

B: - Hum. É. Faz sentido. Alguma idéia?

A: - As ideias são sempre minhas. Hoje, você pensa em alguma coisa, caso interesse.

Coça a cabeça:

B: - E se a gente se encontrasse no futuro?

A: - Futuro? Sei sei. Não temos futuro, você sabe...

B: - Não! E se a gente esperasse nosso tempo se alinhar de novo?

A: - Mas nunca esteve alinhado! Estivemos vivendo em tempos distintos durante tanto tempo!

B: - E se então esperássemos que nosso tempo de alinhasse pela primeira vez?

A: - Me encontra daqui a cinco, dez anos pra ver se dá certo: é isso o que você está me pedindo?

Ouvindo In a sentimental mood (Coltrane)

4 comentários:

renatocinema disse...

Filosofia pura....filosofia do amor impossível(ou não?).

Tatiana Machado disse...

Me senti quase no "Meia Noite em Paris"... ai o tempo do amor! Miss you girl ;)

Carolina disse...

Eu sou muito impaciente. Não dou conta de esperar o tempo. Ultrapasso ele, me perco e perco tudo e todos. Depois fico pensando que perdi meu tempo...

£ädÿ disse...

"me encontra daqui a cinco dez anos pra ver se dá certo"
pedi isso pra vida. as vezes desacredito que ela tenha me ouvido.