31 de dez de 2010

Anyone else but you


Cansei de fazer balanço do ano de 2010, mas não posso evitar de pensar nas últimas conversas que tive com alguns amigos. Por um lado, me bateu uma saudade gigante de gente que por "n" motivos não vou mais ver. Por outro, redescobri amizades adormecidas nos lençóis deste ano. Seja como for, tudo muito surpreendente e divertido. De talk shows exóticos e liberdadores à confissões e mudanças de postura, bem, só posso dizer que me sinto feliz e orgulhosa de todos os meus amigos - viu Felino?

São pessoas bastante diferentes de mim - o que não é um problema. E nessas últimas conversas eu [re]descobri muita coisa. Descobri, primeiramente, que certas declarações impactantes são pra valer:

- Nossa história não acaba aqui.

(sou muito boa com declarações impactantes)

E que infelizmente certas "convenções sociais" podem nos afastar de pessoas que nos fazem bem. E vice-versa. Aprendi que brigas feias podem ser decisivas numa amizade, no sentido de colocar coisas em pratos limpos, abalar as estruturas e se perguntar Vale a pena?, só para poder afirmar em alto e bom som Ô se vale! E assim caminha a humanidade. Descobri também que nem todos têm a capacidade de pedir desculpas, porque às vezes parece que eu estou sempre errada já que só eu peço desculpas. Será que é isso mesmo?

"Quem inventou a distância nunca sentiu saudades" alguém me disse e eu registrei na caderneta de versinhos quando tinha uns doze anos. Bom, o tempo passou, a caderneta se tornou motivo de auto-chacota, mas o verso ficou por ser simplesmente real. A maioria dos meus amigos mora longe, então nos viramos como podemos, afinal, todo mundo trabalha/estuda e nos vemos menos do que gostaraímos. Mas nos fazemos presentes, de um modo ou de outro, e acho que é isso o que realmente importa. Hoje eu sei o que realmente importa. E quem realmente importa. E que, muitas vezes, tal importância deve ser abafada sutilmente. Afinal, não se deve superestimar o seu amor - ou a sua dor. Nunca. Nada melhor do que diluir certas intensidades em água corrente.

Passei a virada de 2009 para 2010 assistindo Juno (2007) e logo em seguida baixei a trilha sonora. Minha mania de trilhas sonoras. E absorvi certas coisas de um modo diferente. Esperava 2010 de um jeito, ele veio de um modo completamente diferente - e não menos delicioso. E surpreendente. Isso é fato. Algumas pessoas realmente me supreenderam, enquanto que outras simplesmente agiram de acordo com sua natureza, ou seja, como eu já esperava. Agora vamos ver o que 2011 nos reserva...

Obrigada a todos que fizeram parte da minha vida em 2010. Feliz Ano Novo!



Um comentário:

Vinícius Cássio disse...

Que texto bonito, Lari!

(o vídeo é ótimo!)

Sim, sim: "Agora vamos ver o que 2011 nos reserva..." !!! :) :) :)