20 de dez de 2011

Feliz Natal [2]: Os cartões

Ela sorriu para a sacolinha da papelaria. Seus cartões de natal tão desejados. Olhou a listinha com os nomes para quem os mandaria. Os envelopes vermelhos seriam os primeiros a saudar, contentes, os seus destinatários. E quem seriam? Aqueles que faziam parte de sua história. Ela torceu os dedos e torceu para que os cartões chegassem antes do natal.

Disseram-lhe que ninguém mais enviava cartões de natal.

- Eu sei - ela sorriu - Mas não é por isso que vou deixar de mandar.

As pessoas mandavam e-mails e mensagens natalinas por meio de mídias sociais. E era válido. Mas, para ela, os cartões eram sagrados. E ela prezava as mensagens individuais com sua letra cursiva e redonda. O carinho pausado e pensado em cada palavra. O pessoal não-partilhado.

Era o seu amor expresso não em prosa ou verso, mas em cartão - ou risada de Papai Noel.

2 comentários:

renatocinema disse...

Viva a nostalgia dos cartões.

Tatiana Machado disse...

Ahhhhh! O meu chegou ontem :) Yay!!! Thanks again and again! Eu não trocaria sua tradição pelas redes sociais - tem uma razão para as tradições existirem! (não que eu saiba qual é, mas para que mexer em time que está ganhando?!) lol Beijos