8 de abr de 2011

Histórias exemplares: A mocinha que se dizia perigosa

Os dois sozinhos, tarde da noite, numa rua deserta.

- Você fala isso porque mal me conhece - ela diz muito séria e sorrindo - Sou perigosa.

Seu rosto é delicado e seus modos contidos.

- É nada - ele sorri de volta, pensando entender o jogo e se aproximando - Você é completamente inofensiva, basta olhar para você, seus traços, o jeito como se veste. Você não é perigosa - ele provoca.

- Não - ela diz com firmeza - Sou perigosa sim - diz tirando um dedo humano sem mão nem dono de dentro da bolsa (o forro ensagüentado).

Os dois sozinhos, tarde da noite, numa rua deserta.

Ouvindo Black night (The dodos)

Nenhum comentário: