18 de abr de 2011

Sleeping Beauty

Voltei morta da Virada Cultural. Morta não, adormecida. O carro apertado e eu consegui tirar um cochilo, tamanho era o meu cansaço - e a minha decepção por não ter conseguido assistir O Mágico de Oz com trilha sonora de The dark side of the moon, do Pink Floyd.

Um amigo comentou depois que eu estava bonita enquanto dormia e parei para pensar que todo mundo fica bonito enquanto dorme: sejam bebês rechonchudos, namorados no seu colo, o cachorro sobre o tapete, crianças na rede lá fora... Talvez também porque quando estamos dormindo, não falamos o que não devemos, não agredimos (há exceções em forma de sonâmbulos), não magoamos os outros: somos inofensivos. E acho que a beleza está nisso, no fato de sermos frágeis e inofensivos por algumas horas. É como se no sono e na morte fôssemos todos iguais. E somos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Bonita dormindo sim, a parte ruim é que suas pálpebras impedem a apreciação de 2 elementos que completam com graça o conjunto.

Dsgnr