31 de out de 2011

Adeus unha da minha carne ou Sobre a valorização na partida

Ficou hesitante e eu esperando sua decisão. Decidiu finalmente e foi embora - definitivamente. Fiquei olhando a lacuna deixada pela sua ausência. E foi aí que percebi como era importante, como sentiria a sua falta. Pois é, caríssimos, hoje perdi uma unha. Nosso rompimento se deu há mais de dois meses, num acidente com uma pesada porta de ferro e, desde então, tenho esperado a nossa separação definitiva.

Não é poético como quando uma criança perde um dente. E, definitivamente, eu não poderia ser uma das heroínas de Alencar. Mas quem quer ser uma heroína dele? Ah, eu quis. Aurélia. Mas faz tanto tempo que eu já nem sei. Minha aspiração hoje talvez fosse ser um rebento de Machado ou Lygia Fagundes Telles ou do meu Ignácio. Quero pouco, né? 

Só percebi como as minhas unhas são importantes agora que uma se foi. E não é porque o meu indicador fica feio, mas porque fica desprotegido. Batman, Pucca e demais personagens hão de animar meu dedo, enquanto ele fica soliário, sem a unha de sua carne. Porque as unhas podem ser substituíveis - embora tenha tido medo de ficar sem para sempre.

Unhas são substituíveis. Pessoas não. Mas, se por um lado, quanto à unha, dei pouco valor e só reconheci a importância na ausência, por outro, nunca fiz tal coisa com pessoas. Sempre reconheci o valor de quem já passou e quem anda passando pela minha vida. Cada um com o seu valor, com a sua importância.

Mas assim como unhas podem partir, mediante choques literais, pessoas também podem ir embora. E aí a vida continua (hoje ouvi e gostei: A minha vida continua/ Mas é certo que eu seria sempre sua). Seja sem a unha, seja sem certas pessoas. Aparecerá outra unha, aparecerão outras pessoas. Serão unhas e pessoas diferentes: nem melhores nem piores, só diferentes.

E únicas.

2 comentários:

renatocinema disse...

As pessoas aparecem e somem com a mesma intensidade em nossas vidas. Somente no caos, no momento de agonia (eu passei em 2008) você verá quem realmente é uma unha que merece ser cuidada e valorizada.

Sua citação ao Homem-Morcego foi dez. Só falta citar, num próximo o agente do Caos, Joker.

Lady disse...

pela sua unha, digo AI. isso dói.
pelas pessoas, preciso dizer? bem sei como me fazem falta certas unhas, digo, pessoas. mas do mesmo jeito como não dá pra trazer uma unha caída de volta ao dedo, não dá pra trazer pessoas de volta. unhas crescem, pessoas aparecem, e uma hora a lacuna se preenche sem que a gente nem perceba.
certo?