9 de jan de 2012

Diário: Será que o que você procura realmente existe?

Ele me disse que eu não sabia o que queria. Porque, segundo ele, mulheres nunca sabem o que querem.

Mas é claro que eu sabia, sei. Em 90% do tempo eu sei, o que não faz com que os outros 10% sejam criminosos. Também sei muito bem o que estou procurando, mas só hoje vi que não vou achar nunca pelo jeito. Percebi isso enquanto meu bom amigo ia tecendo suas considerações e eu ia tomando o meu café, sentindo meu ombro sendo queimado pelo sol. País tropical. Na verdade, eu não percebi nada: foi ele quem me disse. E ele me disse outras coisas também que me fizeram pensar. Bom, amigos são para ver as coisas que não vemos por vezes, certo? E eu queria que ele estivesse errado. Terrivelmente errado (do mesmo que eu queria às vezes estar errada. Terrivelmente errada). 

Aí eu não sei se mudo a palavra de busca (Santo Google) ou se deixo de procurar, buscar e não sei mais o quê. 

Se eu fumasse, procuraria a resposta nos desenhos da fumaça do meu cigarro. Mas não fumo. Poderia procurar as respostas nas estrelas. Mas não tenho visto estrelas. Talvez eu não tenha que procurar o que eu quero, nem procurar uma resposta. Sei onde quero chegar, mas não sei como chegar - e desconfio que esse lugar não exista.


Ouvindo Nightwalker (Thiago Pethit)

Um comentário:

Ludmila. disse...

Como na minha vida sempre escutei o ditado "Quem procura acha" em situações que o achado não era bom, resolvi parar de procurar...

Que eu seja procurada. Sem me preocupar com achados e perdidos vou seguindo. Um dia chego... pro bem ou pro mal. ;)