21 de fev de 2012

Quase

Esbarraram-se na Paulista no feriado.

Ele: - Por que você está fugindo de mim?

Ela: - Não estou fugindo de você!

Ele: - Ah não?

Ela: - Não fui mais atrás de você e você não foi mais atrás de mim. Achei que estava tudo certo.

Ele abriu a boca, depois fechou. Olhou para seus sapatos sujos. Ela olhou para o lado, virou os olhos e sorriu de volta para ele.

Ela: - É só que... você não era o que eu esperava.

Ele: - Ótimo! Você cria as expectativas e eu pago o pato?

Ela: - Não. Não crio expectativas.

Ele: - Duvido!

Ela: - Está bem: mas as que eu crio são comportadas, controladas. E essas você preencheu.

Ela corou. Ele ficou olhando sem entender. Ela sorriu.

Ela: - O problema foram as expectativas que você criou sobre você mesmo. Essas estão fora do meu controle e essas você não preencheu.

Ele abriu e boca, depois fechou.


2 comentários:

renatocinema disse...

Adoro os diálogos frios e ao mesmo tempo tão românticos de minha amiga poeta.

£ädÿ disse...

adoro os momentos que deixam as pessoas com o efeito peixe (abre e fecha a boca sem emitir ruído)
huhuhu