18 de fev de 2011

BBB: Big Bored Brasil

Assisti uma noite, na semana passada, só para ver se era tão ruim quanto me lembrava. Não, é pior, bem pior. Eu até entendo o interesse que a vida alheia pode despertar nos outros - embora eu não partilhe disso. Isso vá lá. Mas como se interessar pela vida de gente tão desinteressante? O programa em si é desinteressante. Prefiro uma boa trama de livro. Até a minha vida pacata é mais interessante. E eu jogo uma bolinha de papel na cabeça do primeiro que entoar:

- Mas BBB é real, não é ficção!

Tão real quanto o os meus dentes do siso ou a minha tatuagem de dragão nas costas - ambos inexistentes, caso não tenha ficado claro. Como diria Charlie: "É tudo uma desculpa para vadiar, galinhar e se expor". Antes fossem interessantes... Porque eu que nunca fico entendiada, fiquei - e peguei um bom filme para assistir.

Mas lamento mesmo pelo George Orwell. Se eu fosse ele, voltava para assombra Bial e sua trupe enfadonha.

Ouvindo Teorema (Ira!)

2 comentários:

Anônimo disse...

É a glamurização da vadiagem.

Gabrl

MN disse...

hahahaha! adorei!