20 de fev de 2011

Cansei de desencontrar

Para Scarlet

Algumas coisas parecem bem difíceis, mas depois que você as executa, percebe que foram mais fáceis do que imaginava. Algumas pessoas reagem quando você esperava que elas não reagissem. Reagem e você percebe que fez a escolha certa. Reação com riso é sempre algo para se pensar. Humor como máscara? Eu não iria tão longe...

Hoje me disseram muitas coisas das quais eu já sabia. Mas acho que é sempre bom ouvir que você estava certa. Tudo muito claro, muito óbvio, muito preciso. E decisões muito claras, óbvias e precisas. Sempre bom. Mas tudo sem drama. Só a sobriedade que me resta depois de alguma dor de cabeça e algum aborrecimento. E a companhia bem humorada colaborou, naturalmente. Afinal, tristeza não é um pressuposto de resoluções racionais. Sem drama. Desgasta muito e tem ainda tanta coisa por fazer...

A vida é curta demais para certas coisas, para se privar de certas coisas, para se sujeitar a certas coisas. E cada um sabe de si, sabe de sua vida e do que vale a pena. Ponha o que vale a pena no papel.

Acho que estou ficando boa em despedidas. Às vezes, é a melhor coisa a se fazer, quando você simplesmente não vê perspectiva alguma. Lembro de consolar uma pessoa muito especial há algum tempo: ela achava que não tinha controle sobre a própria vida. Passei os dedos pelos seus cabelos carinhosamente:

- Sim, você tem o controle da sua vida...

Do mesmo modo, tenho da minha. E, pensando em Scarlet, se não estou satisfeita, por que não mudar o rumo? Bingo! Acho tudo isso mesmo. A insatisfação nos move a buscar coisas mais interessantes. Sim, ter o controle da própria vida e saber o que se quer faz bem. E isso me causou um prazer fino e delicado, daqueles de quando alguém lhe olha com olhos que dizem:

- Tolinha!

E você simplesmente sorri, dá ombros, as costas e vai embora.

Ouvindo:


A vida é isso ou bancar a donzela encastelada - sendo que a última está totalmente fora de cogitação.

Nenhum comentário: