7 de fev de 2011

Eu prefiro ter essa matutação ambulante

Vamos que vamos experimentar ônibus novo. Sim, sempre um momento mágico quando sinto a civilização que se aproxima do meu feudo. Nuvens estranhas, citando Pocahontas. 

A oferta de ônibus por aqui é uma coisa deprimente, embora algumas fagulhas de esperança sempre permaneçam. Sim sim, sou uma eterna otimista, mesmo quando o cobrador faz pouco caso de mim ou me responde com grosseria - dois cobradores diferentes no mesmo dia. É, nem sempre o meu charme pessoal funciona, normal.

Enquanto me aventurava ao pegar o novo ônibus e passava por umas quebradas críticas, comecei a matutar, naturalmente. Andar por aí é um dos melhores jeitos de refletir, pelos menos eu acho. E sei de mais gente que faz isso também. Enfim, comecei a me sentir bastante desconfortável por não conhecer nadinha das ruas, avenidas, favelas, digo, comunidades, e cia.

Foi só o nome de uma avenida que reconheci. Nome gringo, leste europeu provavelmente. Mas só os brasileiros com seus churrasquinhos de gato mia, mini-vans dos infernos e incansáveis camelôs. E logo a ficha caiu e me dei conta: os caminhos conhecidos são todos confortáveis, mesmo que não sejam bom, pois é uma coisa da qual temos certeza, que sabemos como funciona.

Sei ir daqui até a esquina, mas o que vem depois da esquina, bom, isso é um mistério.

Um caminho novo, seja de ônibus, seja da vida, nem sempre é confortável. Na verdade, acho que nunca é. E somos forçados a sair da zona de conforto e a nos questionarmos, nos desafiarmos à pensar diferente. Nem que seja para concluir que a escolha pelo ônibus novo foi um grande erro - como foi (e como foi!).

O importante é sempre se arriscar quanto aos ônibus. E saber que sempre se pode dar o sinal e descer no próximo ponto.

4 comentários:

Anônimo disse...

Prefiro errar a ficar nesse conforto. Me sujeitar, arriscar, viver. E colher.

Gabrz again

Ludmila. disse...

Ainda tenho um pouco de medo de pegar ônibus novo por aí... Me acostumando agora e pegando alguns já no começo do ano. Vamos ver no que dá. Até agora está fazendo bem...
...e Pocahontas sempre foi uma das minhas preferidas.

Dai disse...

Acho que é muito bom pegar caminhos novos, mas temos que ter a percepção apurada para percebermos quando estamos apenas andar em círculo.

beijo

Anônimo disse...

eu tbm pego onibus pra pensar...:D

>sara