18 de jun de 2012

Eles passam, as músicas ficam

É um tal de querer apagar da alma todas as melodias e poesia das músicas vividas a dois. Fim de namoro. Ah o drama! Blé!

Acontece que eu sou rebelde e insisto nas canções, porque música é coisa sagrada, sabe? Elas vêm antes de qualquer lembrança, de qualquer pessoa. Ou então que fiquem as lembranças e que o tempo carregue os sentimentos não lá muito bons para longe - mandemos a dor de cotovelos às favas.

Essas coisas passam e é um desperdício pensar em abrir mão de tudo o que me foi apresentado e de tudo o queeu já gostava. Os CDs que gravei e que me gravaram. Bandas, cantores, novas versões, ritmos, instrumentos, jams, acústicos. Abrir mão daquilo que amo e se tornou parte de mim para...?

Porque eles passam, mas as músicas ficam. E cabe a nós escolhermos o que vale a pena ficar e o que deve escorrer pelo ralo.

Sempre foi assim e sempre será.

Um comentário:

renatocinema disse...

Coloca sagrada nisso.....Música, pode ou não, definir quem somos. Eu sou meio Arnaldo Antunes, junto a um liquidificador que possua Raul Seixas, Câmisa de Vênus e Rolling Stones. É possível? claro na arte e na vida tudo pode. kk