13 de jun de 2010

Diário: Sobre tudo...

Estava um frio dos infernos! - por mais contraditório que possa parecer. E eu berro aos quatro cantos que se vivo num país tropical, tenho o direito de ter clima tropical, a despeito de quaisquer mudanças climáticas causadas pela ação do homem. Deveria ter algum artigo assim na Constituição, mas enfim...

Voltávamos para casa, eu e ele. Os dois no ponto de ônibus. Eu no meu conformismo de quem cismou em ir de meia-calça fio 40 quando beiramos o inverno e ele muito bem vestido, como sempre. Pela terceira vez ele me perguntou se eu sentia frio. Sorri e disse que não, embora a minha linguagem corporal dissesse o contrário. Ele sorriu, tirou o sobretudo que vestia e colocou nas minhas costas. Minhas reações de protesto foram ignoradas. Ele me disse que não fazia mais do que o mínimo. O mínimo do mínimo. Então como é que aquilo para mim poderia ser tão tudo?

Eu vesti o sobretudo - mangas.

E senti que ele me aquecia muito mais do que o corpo...

4 comentários:

Lily disse...

oooooooooooooooooooooohhhhhhhhhhh......=)

Sirius disse...

E para que mais serve um sobretudo se não para dar para a namorada quando ela está com frio? Cavalheirismo é o mínimo - do jeito clássico, que nunca perde a cor, o tom, a graça ;)

Triana. disse...

Ai que lindo. *_*

Holmes disse...

Não reclame do frio, maninha...

Eu queria viver num país tropical onde não passasse dos 20 graus, como faço?