13 de set de 2010

Dias de maçã-verde

Deve ser época de maçã-verde: hoje vi W. e E. comendo maçãs-verdes e me deparei com meia dúzia delas na minha fruteira. É, deve ser época de maçã-verde. E de outras coisas também...

Estou ouvindo Last Kiss, do Pearl Jam, e percebo como essa música já não era o que costumava ser - por que a gravei? - ou o problema sou eu? Sim, na verdade, o Prêmio Grande Vilã 2010 é meu. Receberei-o não com pesar, mas com incrível leveza -  já que a palavra de ordem é essa: leveza. Creio que já está devidamente assimilada, quer dizer, só vou ter certeza quando a próxima crise for instaurada. O que não será tão cedo.

É estranho e engraçado ter saído de outra carapaça de ontem para hoje. Aquilo perdeu a graça. Temporário? Talvez. Talvez volte a ser interessante, não sei. Acho que eu matei a adolescente que amava Last Kiss e ainda assim, conversando com ele, eu me referi aos adultos, como se nenhum de nós fosse um. E somos. Até que se prove o contrário.

E eu olho as maçãs-verdes, incrivelmente grandes e verdes, e penso que não gosto de rosas. Talvez isso seja significativo de algum modo.

É como se eu estivesse confusa, mas não soubesse em relação ao que - já que está tudo muito bem resolvido, seja sentimentalmente, seja profissionalmente. As coisas estão claras, cristalianas. Já tomei todas as decisões necessárias por hora. Então...? Uma sensação de que há algo por vir... A Diva Ruiva me falou desse sentimento e eu acho que finalmente entendi senti.

Seja como for, há uma intensa sensação de estranhamento no ar seco e quente.

Será que é assim que a gente se sente nessa fase Pós-Adolescência?

Nenhum comentário: