10 de mar de 2011

Vigi(li)a

Eu conhecia aquele solo de violão de algum lugar. Qualquer lugar. Outra vida. Ou seria esta mesma? Lembrei de você e foi tão intenso que mal pude respirar. E quis guardar o ar, como se o fato de o termos divido signfiicasse alguma coisa agora. Nada, simplesmente nada. Mas não me importei, pois sua lembrança confortava. Intensa como o beijo nunca trocado, como a expectativa mantida em suspenso, como seu olhar que engaiola e aprisiona. Mas que quis eu da vida? Ser livre. E, para isso, para ser pássaro dono de suas asas, tive que abdicar desse olhar de vertigem, desse olhar que me quer engolfada. Não, não flutuante. Mas submersa e submissa.

Ouvindo Close to you (Carpenters)

Nenhum comentário: